sexta-feira, 11 de março de 2016

A GRANDE FOGUEIRA DE VAIDADES

Enfim, tudo se transformou numa grande fogueira de vaidades e nessa grande fogueira vale de tudo, especialmente a presença de figuras que assombram mais o cenário já sombrio daqueles que pensam estar acima das leis do país. O Brasil se transformou numa lata de lixo, onde cabe de tudo. A ação de Lula é desprezível. Só pensa em si mesmo, como se fosse a salvação de tudo. Não é. Esse homem é doente. Um doente que um dia, pelas circunstâncias, chegou à presidência da República. Pior: ele é o presidente do governo paralelo do país, já que a presidente Dilma não sabe o que fazer da vida. Então as brechas estão abertas para um oportunismo cada vez mais perigoso, já que o país está dividido, como Lula mesmo quis: "eles" e "nós". O país atravessa um momento perigoso demais, incendiário, de provocações dos dois lados. Há os que preferem fugir do país, que é o meu caso. Simplesmente ir embora, para não ver mais tanto desmando e não ver mais as mesmas caras de sempre. Agora talvez ele seja ministro para ter foro privilegiado e escapar da justiça comum, aquela que trata dos ladrões de sempre. Mas isso não quer dizer que escape, passando para a esfera do Supremo Tribunal Federal. Nãoquer dizer que esteja livre. A não ser que até o STF esteja aparelhado, o que eu não duvido.

5 comentários:

  1. Maria de Lourdes - Salvador11 de março de 2016 07:53

    Poeta o Brasil se transformou nisso mesmo. A ordem é fugir daqui.

    ResponderExcluir
  2. Demétrius - São Paulo11 de março de 2016 07:56

    Poeta, você está certo. O Brasil acabou. O Brasil é uma terra sem governo. Estamos à deriva.

    ResponderExcluir
  3. Álvaro querido
    Que felicidade saber deste espaço novo, onde poderemos continuar nos encontrando, apesar de todos esses desencontros e lamentações pelas quais estamos passando.

    Um dia desses, quando coloquei o hino nacional na minha página do face, comecei a me emocionar de tal forma, que não conseguia fazer mais nada.
    Como é que tudo chegou a esse ponto?
    Aonde estão escondidos os frutos de nossos trabalhos honestos?
    Em que momento nossos sorrisos morreram de pura solidão ideológica?
    Para onde correr e com quem ficar?

    E eu continuo como uma tola, esperando ainda viver, ainda alcançar o dia em que uma luz, mesmo que tênue, anunciará uma verdadeira aurora, quando poderemos cantar com orgulho, com a cabeça erguida e o olhar no horizonte, o hino tão maravilhoso de nossa pátria.

    Preciso urgentemente sonhar, preciso acreditar que tudo que construí até agora, e que não foi pouco, não foi em vão.

    Sucesso neste novo canto que, tenho certeza, será encantado! Beijo

    ResponderExcluir
  4. Vai uma exaustão total por mim, não sei apostar em nada, não consigo enxergar futuro nem presente próximo minimamente decente para o "país do futuro". Não posso partir e não sei o que fazer, não vejo escolhas viáveis nem em partidos nem em pessoas,nada. A cidadã que fui morreria de vergonha de mim se me visse assim.E me envergonho por usar essa linguagem também.Abraço, Poeta.Felicidade para o blog em seu novo tempo.Como anônima, a Zuleika.

    ResponderExcluir
  5. Momento realmente incendiário e muito preocupante, é com angústia e desesperança que vemos este cenário. Como alguém escreveu, estamos à deriva, um salve-se quem puder, interesses pessoais acima de tudo.

    ResponderExcluir